terça-feira, 21 de julho de 2009

the diary, pt. 2.

"É incrível como algo tão doce veio e mudou a minha vida".
Foi nisso que fiquei pensei pensando ensses últimos dias. O tempo que passei com o Veni me fez tão bem e eu tinha me acostumado tanto com isso, que rês dias sem ele estava quase me deixando maluco. Quase. Me esforcei para deixar alguma sanidade para quando ele voltasse, claro.
Tudo bem que nos falamos por telefone dois dos três dias que ele esteve fora. Mas poxa, 10 minutos não é nada comparado a 8 horas (eu ainda acho isso pouco, haha).
Mudando o foco... Outra coisa que veio junto com a nossa relação foi o meu sentimento para com ele e a intensa felicidade que se sobrepôs na minha vida. Considerando as difi
culdades pelas quais eu estava passando, o Veni me apareceu como uma imensa fonte de luz na escuridão. Me fazendo mais feliz e completo do que eu havia sido em meses.
Agora falta só uma coisa para tornar minha felicidade completa. Só uma.
Até lá, vou seguindo o meu caminho ao lado da pessoa mais fofa que Deus colocou no meu caminho. Meu milagre pessoal, meu raio de sol. A pessoa pela qual eu me encontro incondicionalmente apaixonado. ;)

V.

quinta-feira, 16 de julho de 2009

someone, one day, sent me this.

Pelo que vale, nunca é tarde demais. Ou no meu caso, cedo demais. Seja aquilo que quiser ser. Não há limite de tempo, pode começar quando quiser. Pode mudar ou ficar na mesma. Não há regras para isso. Pode escolher o melhor, ou o pior da vida. Espero que escolha o melhor da vida. Espero que veja coisas que a surpreendam. Espero que sinta coisas que nunca sentiu antes. Espero que conheça pessoas com diferentes pontos de vista. E espero que viva uma vida da qual se orgulhe. E se pensar que é capaz, espero que tenha a força para começar de novo.

Algumas pessoas nascem para sentarem na beira do rio.
Algumas pessoas são atingidas por raios.
Algumas têm ouvido para a música.
Algumas são artistas.
Algumas nadam.
Algumas entendem de botões.
Algumas conhecem Shakespeare.
Algumas... são mães.
E algumas pessoas... Dançam.

segunda-feira, 13 de julho de 2009

the diary.

12 ou 13 de Julho, tanto faz.

Mais de 10 dias de não-contato com o Rafael.
E ok, eu decididamente fiz algo horrível. Nada mais poderia justificar esse afastamento. (?) Não que eu fosse precisar de um aviso do tipo "olha, cansei. De hoje em diante será como se você nunca tivesse existido". Mas qualquer explicação seria bem vinda. Muito obrigado.
Pouco mais de 5 dias (o que me parece absurdo, uma vez que sinto como se fossem anos), eu conheci alguém. Quero dizer, "alguém" não é uma boa palavra para definir ou descrever uma pessoa como o Vinícius (porque esse é o nome dele <3).
Começando a epopéia com uma visita minha ao perfil do Pedro (thanx god). Depois uma olhada (básica, claro) no scrapbook e BANG! Aconteceu. Vi o perfil dele e lá fui eu fuçar. "Damn, ele mora em Feira, bem perto daqui. E oh minha nossa, ele com certeza faz o meu tipo". Foi exatamente o que pensei. Bom, para mim era o suficiente para puxar assunto. Óbvio, foi o que fiz.
Que fique bem claro: me apaixonar assim não estava em meus planos (sério! Aconteceu e eu estou imensamente feliz. De um jeito que não me sinto há muito tempo).
Claro que eu poderia falar sobre o quão perfeito ele é e sobre todos os nossos planos. MAS, daria muita coisa e eu estou (estava rs) com sono.
Sobre o assunto do começo, FYI, eu AINDA não desisti. Só dando um tempo. Mas se for para ser assim, que seja. Uma parte do que me tornei vai ser arrancada e meu mundo vai se romper em chamas. Enfim, quem se importa? Tá todo mundo ocupado demais "curtindo a solidão" para se preocupar em dividir o peso da carga com quem, para todos os efeitos (ou defeitos), costumava ser o melhor amigo.

Pequena nota para mim mesmo: nunca mais ver The Unborn. MORRI DE MEDO.